1 de ago de 2009

Somos brasileiras e não desistimos nunca (mas que está difícil, está) - 01 de agosto de 2009

Hoje fomos ao parque de novo. Pegamos o gatinho branco no vet para levá-lo de volta. O normal teria sido devolvê-lo na semana passada, mas maridão ficou doente e não deu, mesmo.

Esse gato branco fica na parte da frente do parque; então, aproveitamos para dar uma volta e fazer uma inspeção na área. Surpresa! Tem um gatinho(a) tigrado(a) não castrado(a). Pensávamos que a área da frente já estava encerrada... mas não está. Tentamos capturá-lo, mas não foi dessa vez...

Como sempre, passamos na área onde fica a maior parte dos gatinhos (perto da sala da tia Ro) e preparamos o banquete. Um montão de ração diferente da que comem no dia-a-dia com cobertura de whiskas sache. Foi uma festa. Começamos a perceber que os gatinhos dessa área já estão mais acostumados conosco e já nos deixam chegar um pouco mais perto (sempre a uma distância maior que um braço, claro).

Banquete servido, pegamos nossos equipamentos e fomos para o terreno da faculdade. Chegamos lá e logo avistamos a prateada e a mamãe (como sempre). Dessa vez, finalmente, a Angela (que já estava agoniada) viu, por alguns segundos o Pequeno Pentelho Amarelo (vocês se lembram que ele estava meio sumido?).

Andamos um pouco e vimos... UM CACHORRO!!!! Isso mesmo! Na realidade, uma cadelinha linda, bem cuidada e de coleirinha azul com ossinhos presa naquele antigo cômodo onde os gatos se entocavam.

Pergunta de lá, pergunta de cá, descobrimos que a cadelinha apareceu de manhã e prenderam a bichinha nesse local e assim a manteriam até 14h, quando os alunos iriam embora. Bateu um desespero danado. O que seria feito dela após esse horário? Então, apareceu uma pessoa dizendo que ela era da obra que tem do outro lado da estrada. Atravessamos a estrada e perguntamos; realmente era de lá. Então, Angela amarrou uma cordinha na coleira e atravessou a estrada para levá-la de volta. Chegando lá, foi recebida por um rapaz que já estava preocupado com o destino da cadela e ficou muito feliz em vê-la. Disse que a engenheira da obra ia ter um “treco” se a cadelinha não aparecesse. Ele se comprometeu em levar a cadela para casa e castrá-la. Vamos ver se conseguimos acompanhar esse caso.

Voltando aos gatos...

Gente! Que sufoco! Não conseguimos nos aproximar desses bichinhos. A distância mínima é de uns 30 metros, sem brincadeira! Quando chegamos um pouquinho mais perto eles se enfiam no buraco e de lá não saem de jeito nenhum!!!

Depois de algumas horas (umas 5 horas, mais ou menos) concluímos que hoje não conseguiríamos mais capturá-los. Voltamos ao parque para darmos uma olhada geral e, na saída, passamos na faculdade de novo, porque tinha certeza que eles estariam fora do buraco. E estavam!!! Mas não teve jeito: menos de 30 metros, fuga para o buraco...

Mas tivemos uma ENORME surpresa!!! Aquela gatinha tricolor que só vimos UMA vez (post anterior) estava por lá com TRÊS filhotes – 1 laranjinha, 1 tigrado com a cara branca e 1 preto e branco (será que o preto e branco fujão é o pai?)!! Ai, ai...

Além dos bebês e sua mãe vimos o preto e branco fujão, sua irmã escaminha e MAIS uma frajolinha! Ai, que nervoso! Três fêmeas em idade reprodutiva!

Não sabemos mais o que fazer para atrair esses gatinhos para fora do buraco... e olha que hoje eles estavam com fome, porque a moça que coloca ração não foi esses dias (está doente). Já tentamos: whiskas sachê, sardinha fresca, atum, fígado de frango cru, carne moída crua e hoje, no desepero, até a mortadela do nosso sanduíche usamos!

Alguém tem alguma sugestão?

Para vocês terem uma idéia de como é o local, vou colocar um mapinha (devidamente modificado para evitar que seja identificado e vire área de abandono).

Área total: 300.000 metros quadrados (fora o terreno da faculdade) com muito, muito mato...

Clique na imagem para ver melhor!!!


Um comentário:

Anônimo disse...

Pelo amor de Deus . . . alguém pode nos ajudar ??? esses dias, alguém deixou na garagem do meu vizinho, 04 gatinhos com uns vinte poucos dias de vida. Eles estavam correndo pra rua e provavelmente morreriam se um rapaz não tivesse visto. Peguei uma caixa e os coloquei dentro, levei pra casa da minha namorada, pois a mãe dela sabia cuidar deles. O problema, é que não tem nem como eu cuidar, por que ninguém fica em casa. . . e na casa da minha namorada, não há a menor condição de eles permanecerem por motivos de espaço e os vizinhos já estão a ameaçando. . . POR FAVOR, se alguém souber de alguém que possa ficar com eles, pelo menos até ganharem 1Kg e se alimentarem sozinhos, porque existe um petshop próximo à casa dela que pega pra cuidar nessas condições. . . mas até lá, estamos desesperados porque não sabemos o que fazer. . . POR FAVOR, se alguém souber de alguém que possa, ou queira ser provisoriamente o lar desses 4 gatinhos, entre em contato comigo, ou diretamente com a minha namorada: 7614.4903 - podemos ajudar financeiramente. . . AJUDEM PELO AMOR DE DEUS !

* Rodrigo Romero
* rodrigomr@telksp.com.br
* 9540-1242